terça-feira, 8 de agosto de 2017

Desilusão

Só quando deixou de exigir demasiado da vida e de si mesma é que ela encontrou o que tanto desejava e que sempre esteve tão perto dela e não se havia permitido ver. A serenidade, a paz de espírito que tanto ansiava já habitavam nela e só vislumbrou essa realidade após deixar cair as expectativas que criara em torno das pessoas que compunham a sua realidade. Chegara à conclusão que quanto mais queria que uma pessoa se comportasse de determinada forma mais se desiludia com essa pessoa e no entanto, sabia agora, que a "culpada" era ela e as expectativas que criara e não a outra pessoa. As pessoas são como são e comportam-se como tem de se comportar e por isso não nos desiludem a única coisa que nos pode desiludir são as ideias que criamos, as expectativas que criamos em torno dessas pessoas. Sabendo disso agora, após tanto sofrimento, após tanta desilusão, ela sentia-se mais leve, mais centrada na sua pessoa, mais confortável na sua pele e o bom disto tudo é que ao seu redor as pessoas pareciam-lhe diferentes, como que mais ligadas, mais atentas à sua vontade, à sua postura.

Sem comentários:

Publicar um comentário